Pular para o conteúdo principal

Então vamos (re) começar!...

Pra quem gosta de um pouco de história...

Os registros de trabalhos em patchwork são muito antigos. As primeiras evidências são da época dos Egípicios. Existem desenhos nas paredes de cavernas que mostram os faraós usando roupas de patchwork. Também eram utilizadas sobras de tecidos para se confeccionar roupas acolchoadas que eram usadas em baixo das armaduras.

No passado o patchwork era feito principalmente pela necessidade de proteger-se do frio. Devido à “escassez” de tecidos todos os pedaços eram guardados e depois costurados para se fazer cobertas para o frio. Essas cobertas eram forradas com lã de animais para ficarem mais quentes. Portanto, a arte de unir retalhos era uma necessidade sendo que sobras de roupas mais velhas eram transformadas em mantas para aquecer toda família. Ele começou a se espalhar em países da Europa como Inglaterra, Itália, França e Alemanha. 

Mas foram os ingleses, que fugindo de perseguições religiosas vieram para a América e trouxeram esta arte para o Novo Mundo. Esses ingleses, que foram os colonizadores dos Estados Unidos, eram um povo de costumes rígidos em que as mulheres deviam fazer trabalhos manuais para que o mal não tivesse espaço em suas mentes. Essas mulheres eram proibidas de sair de casa, a não ser para ir a igreja ou a reuniões de patchwork. Para elas esta atividade se tornou além de um método de sobrevivência, uma válvula de escape da rotina do dia a dia, e sua única forma de expressão criativa. As reuniões eram motivo para convidar as amigas e vizinhas para uma boa conversa enquanto as agulhas trabalhavam.

Em 1846 foi inventada a maquina de costura doméstica que se tornou mais uma ferramenta para este tipo de trabalho. A partir daí o patchwork e quilt passou a ser feito tanto a mão quanto a máquina.

Após a 2a. Guerra Mundial, devido à crise econômica, as mulheres começaram a sair de casa para trabalhar na indústria e no comércio. Nessa época o patchwork ficou esquecido por algum tempo.

Felizmente, na década de 70, com o movimento hippie o artesanato voltou a ter destaque. A partir desta época foram desenvolvidos diversos acessórios e instrumentos, como réguas e cortadores especiais, que, aliados ao uso da máquina de costura deram mais velocidade ao patchwork e quilt permitindo adaptar este trabalho manual ao agitado ritmo de vida dos dias atuais. Mas não foram só os acessórios que evoluíram, a indústria têxtil também passou a desenvolver estampas e cores especiais para o patchwork o que tornou infinita as opções de cores e estampas transformando os tecidos em uma espécie de tintas e os quilts em mais que um artesanato, e sim em uma arte.

Hoje em dia os trabalhos de patchwork são feitos não somente com as sobras de tecidos encontradas, mas com tecidos apropriados, fabricados e comprados exclusivamente para esse tipo de trabalho. Realmente o patchowork se tornou uma arte, da mesma forma como um quadro, onde os pedaços de pano são escolhidos como o pintor escolhe as cores e aplicados da mesma forma como o pintor move o pincel sobre a tela, cada um com sua própria forma e técnica.

Atualmente nos Estados Unidos existem museus e galerias de arte especializadas no patchwork e quilt.

Durante a época do Brasil colonial e imperial o patchwork e quilt ficou limitado aos escravos que usavam os retalhos das sobras das roupas de seus senhores assim como roupas velhas para fazer cobertas e roupas. Foi somente durante a república, e com a imigração européia de italianos, alemães e posteriormente ingleses e americanos que o patchwork passou a ser mais difundido aqui no Brasil.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

mais cestas!...

Cestas de tecido em formato quadrado, em tamanhos pequeno, médio e grande. Tecido xadrez combinando com poá. Fechamento nas laterais com botões. Também faz parte da encomenda da Thábata. Outras cores e modelos envie um e-mail para dincantoatelier@hotmail.com, teremos o maior prazer em atender você!...


tamanho grande: 45cm x 45cm


tamanho médio: 30cm x 30cm


tamanho pequeno: 15cm x15cm


encomendas: dincantoatelier@hotmail.comou http://www.facebook.com/dincantoatelier
ou se preferir diretamente em nossa loja virtual: http://www.elo7.com.br/dincantoatelier
Beijos no ♥... adorei esse novo modelo!...

cases para tablet...

Fiz esse case recentemente para o tablet de uma cliente, totalmente personalizado para o aparelho dela, adicionei também um bolso pelo lado de fora para que ela possa guardar o seu fone de ouvido, achei que ficou tão lindo... e vocês amigas artesãs, o que acharam?


me inspirei nessa foto...

encomendas: dincantoatelier@hotmail.comou ttp://www.facebook.com/dincantoatelier
ou se preferir diretamente em nossa loja virtual: http://www.elo7.com.br/dincantoatelier
teremos o maior prazer em atender você!...
Beijos no ♥... ótima tarde de quarta pra você!...

Sapatinhos de Feltro!...

Nosso último post mostra as fotos tiradas do Boneco de Pano, que a titia coruja aqui, fez para presentear o sobrinho Francisco. Dois momentos me chamaram a atenção enquanto eu confeccionava o boneco. Na verdade três. 
1º sapatinhos de feltro 2º cabelos  3º rostinho 
Necessariamente nessa mesma ordem... rs... 
Mas, como post de hoje, eu escolhi falar sobre os sapatinhos de feltro. E, em outro momento eu volto para falar sobre o cabelo e rostinho, que são também muito importantes para que o seu boneco ou boneca de pano ganhem graça e conquistem a simpatia de todos. 
Como eu nunca tinha feito sapatinhos, resolvi pesquisar na internet um passo a passo , onde eu pudesse aprender rapidamente e dar sequência ao meu boneco. No início tentei fazer de tecido mesmo, mas no fim percebi que no feltro ficariam muito mais charmosos. E o mais importante: são muito fáceis de fazer. 
O molde que usei foi esse:


Diminui um pouco o seu tamanho e através do ponto caseado uni as duas partes, como mostra as ima…

deixei meu sapatinho na janela do quintal!...

Segundo a lenda, São Nicolau teve conhecimento de que três moças muito pobres, que viviam na Holanda, não podiam se casar porque seus pais não tinham dinheiro para dar como dotes. 
Comovido, ele atirou moedas de ouro pela chaminé durante a noite para não ser visto. As moedas caíram dentro das meias que haviam sido colocadas pelas moças para secar junto ao fogo da lareira; começando assim a tradição de se colocar a meias na chaminé, para que na manhã do dia de Natal fossem encontrados presentes nelas. 
Em janelas ou lareiras, em sapatos ou meias, o fato é que essa é uma tradição que está presente em casas de todo o mundo na época do Natal. E você pode fazer parte desta tradição e dar um toque bem especial à sua decoração. 
Acompanhe esse tutorial e divirta-se fazendo essas lindas meias!...


Como fazer: corte o molde da meia quatro vezes, duas no tecido interno e duas no tecido externo.

Pela parte de cima da meia costure formando duas peças, pegue tecido interno com tecido externo, como mos…